Barra de vídeo

Loading...

terça-feira, 11 de julho de 2017

INDIGNAR, MOBILIZAR E PROTESTAR.

        
        "A violência no Brasil nunca esteve tão acintosa, tão menos importante pela exaustão da repetição e tão banalizada por aqueles que deveriam dar segurança à população".


Os horrores do dia a dia, sejam pelas cenas inumanas de extrema violência nas capitais e no interior ou pelos espetáculos bizarros e gratuitos da politicagem de Brasília, acabam por tornar os brasileiros um povo descrente, insensível e de indignação tardia.

O que é pior, criminosos pés de chinelo, vagabundos contumazes, que jogam o carro sobre mulher grávida e mata o seu bebê, para roubar alguns pertences, ou criminosos travestidos de torcedores, que matam antes, durante ou depois de um jogo de futebol, simplesmente porque a vítima vestia uma camisa de time adversário? O que é pior?

Estou estarrecido com essa violência que grassa de norte a sul e de leste a oeste do país, sem trégua, sem punição e sem que as autoridades tomem vergonha na cara e coloquem um fim nessa batalha desigual, de povo de mãos limpas contra bandido armado.

A violência no Brasil nunca esteve tão acintosa, tão menos importante pela exaustão da repetição e tão banalizada por aqueles que deveriam dar segurança à população. E quanto maior o número de crimes e de crueldade praticada pela bandidagem, maior é a incompetência do Estado, que não cumpre o seu papel e ainda acaba por contaminar o cidadão na sua triste trajetória de ver e não se indignar. Falta-nos indignar mais, mobilizar mais, protestar mais e exigir prontas providências para o fim desse martírio infernal.

Não bastassem as notícias da politicagem virulenta, o cidadão brasileiro ainda se vê obrigado a assistir filmes diários de selvageria, de jovens serem mortos ao saírem da escola; de policial militar ser assassinado por bandidos, numa pequena cidade interiorana de Minas Gerais, no exercício da função pública, no cumprimento do dever e na defesa da sociedade; de grávida ser baleada ao caminhar para casa; de pessoas serem chutadas, espancadas e mortas porque estavam vestidas com camisas de um determinado time de futebol.

Todos esses acontecimentos são inaceitáveis, inadmissíveis e humanamente impossíveis de tolerar. Dá náuseas ouvir o rádio, assistir a tevê ou ler os jornais com essas atrocidades todas sendo reveladas, enquanto a sociedade se coloca cada vez mais de cócoras, de forma submissa, diante de tudo de errado que envergonha terrivelmente o cidadão de bem.

As leis são muitas, mas a maioria não vale para esses animais que matam, trucidam, estupram e corrompem a civilidade. As leis de nada adiantam se não são cumpridas, inapelavelmente, por todos e em todos os sentidos. Ora, não se pode admitir que os crimes não sejam apenados, punidos de forma exemplar. Não se pode conviver com essa fantasiosa alegação de direitos iguais, se os bandidos andam à luz do dia ostentando fuzis e metralhadoras e os cidadãos ficam reféns da ousadia, da covardia e da crueldade dos marginais.

O Código Penal, o Código de Processo Penal e a Lei das Contravenções Penais precisam de reformas, o mais depressa possível, e os juízes precisam aplicar as penas condizentes aos condenados, sem soltura condicional ou regimes de facilitação para o apenado. O crime precisa ser punido e o criminoso restar ciente da gravidade do seu ato e da consequência dele.

Não basta o Judiciário dizer que aplica a lei e que a punição está dentro do que ela comanda, mas cabe-lhe também mostrar à sociedade onde está a lacuna. Não basta o Estado tergiversar, protelar ou se acovardar diante dos alegados direitos humanos se os criminosos não têm absolutamente nada de seres humanos, uma vez que não passam de bestas feras sedentas de sangue, portadoras de artilharia pesada contra pessoas indefesas.

Respondam os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário o porquê dessa matança de crianças, jovens e adultos, como se vivêssemos uma guerra sem fim. Onde estão os direitos, as garantias e a segurança anunciados nas folhas frias da Carta Magna? Por onde andam as autoridades que governam os Municípios, os Estados e a União? Onde se escondem, onde estão e para onde vão? Com certeza as respostas não virão, assim como não virão as soluções se o povo não se indignar, não protestar e não se mobilizar.  

As famílias choram os seus entes queridos mortos, assassinados, violentados, estuprados. O Estado permanece inerte e dentro da sua mais repugnante incompetência.

As vítimas são esquecidas e outras surgem, dia a dia, e a sociedade não acaba com a violência e não se sensibiliza. A violência faz vítimas e a sociedade bate de ombros.

A indignação que nos falta, coletivamente, soma-se à perda de vidas de inocentes. A sociedade, essa mesma que bate de ombros, sempre indiferente e alheia, comete os mesmos erros dos governantes incompetentes e imprestáveis, que nada fazem diante de um mal tão terrível, tão inumano e tão arrasador.

Enquanto os pais, mães, filhos, parentes e amigos choram os seus mortos, tristemente levados dessa vida, os bandidos se regozijam pelos seus feitos canibais, covardes e impunes, porque os governantes são medrosos, incompetentes e rotineiramente preocupados com os seus próprios umbigos e não com a segurança do povo brasileiro. E você, isso mesmo, você, o que tem feito para mudar isso? Tem cruzado os braços e deixado acontecer? Ora, mexa-se, indigne-se, proteste e se mobilize na defesa das pessoas de bem. Faça alguma coisa para mudar esse panorama trágico e horripilante, que nos mata aos poucos, silenciosamente, tamanha a nossa falta de indignação.

Wilson Campos (Advogado/Especialista em Direito Tributário, Trabalhista e Ambiental).




2 comentários:

  1. A violência que mata cidadãos de bem deve-se à incompetência do governo que é complacente com os bandidos e admite as leis brandas para crimes cruéis. Uma vergonha, de fato e de verdade, mesmo. Aliás, como dizem nas rodas de amigos dos bairros, a polícia também tem culpa, porque não age com rigor e não reclama da precariedade da sua estrutura, coisa que lhes compete. A polícia precisa mostrar à sociedade onde está o erro de tanta violência - se no seu pessoal mal preparado e mal armado ou se na cegueira do governo. O culpado deve ser punido, inclusive o governo - o maior de todos os culpados. Parabéns ao advogado Dr. Wilson Campos pelo excelente artigo. Jayme L. Souza V. Jr.

    ResponderExcluir
  2. Enquanto houver gente reclamando muito e agindo pouco, o Brasil será o mesmo ou pior. Basta que o povo se levante, tire a b... da cadeira e vá para as ruas e praças reclamar os direitos que todos têm, conforme fala a Constituição Federal. Se tivéssemos mais doutores Wilson, esse país seria diferente e muito melhor para os cidadãos. Fico agradecido por sua sempre positiva manifestação Dr. Wilson e o felicito por isso e por tudo que sempre defende em prol dos brasileiros. Saudações. Jamir E. G. J.

    ResponderExcluir